Festival Politica

11 filmes para ver no Festival Política – Lisboa

 A secção de cinema conta este ano com uma seleção de 11 produções, entre curtas e longas-metragens, filmes de animação, ficção e documentários. O Festival Política atribui, todos os anos, as distinções Prémio do Júri – Filme do Ano, Prémio do Público e Prémio Futuro, para a melhor produção de realizadores sub-30. “A sala dos professores” é exibido em parceria com o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa. A entrada é gratuita. Todos os filmes, incluindo as produções nacionais, estão legendados em português. Programação completa do Festival Política – Lisboa em formato PDF aqui. Confirma a seleção de filmes da edição de Lisboa.

“Sapadores da Humanidade”, de The Gandaya Colletive, 69’ (Portugal)
O documentário conta a história de vida sinuosa de António José Botelho de Vasconcelos, nascido na Angola colonial, no seio de uma família portuguesa, em 1969. Os primeiros anos de vida são marcados ora pela opulência provisória, ora pela figura austera e militarizada do avô paterno. A relação entre avô e neto, pautada pela violência “gratuita”, simboliza também o desabrochar de um sonho – a dança. Aos cinco anos de idade, retornado a Portugal, em plena Revolução dos Cravos, viu a sua vida virar de cabeça para baixo. Em Lisboa, vítima do racismo, abandonado e sem referências, a narrativa mostra as suas experiências e os seus desdobramentos de luz e sombra. De líder de um dos maiores e lucrativos gangues de Lisboa, a presidiário, seguido da experiência de sem-abrigo. Hoje, com 52 anos de idade, o Ninja, como gosta de ser apelidado, dá-se a conhecer pelas suas cativantes performances artísticas. Dia 3 de abril, às 18h.

“A sala de professores” de lker Çatak, 98’ (Alemanha)
Carla Nowak, uma jovem professora de Educação Física e de Matemática do ensino secundário, apresenta-se para a sua primeira aula numa nova escola. O que mais diferencia Carla dos seus novos colegas é o seu idealismo. Mas uma série de furtos por resolver azeda o ambiente entre o pessoal docente. Quando um estudante turco é acusado e chamado de forma humilhante ao diretor, Carla decide investigar. Com a ajuda de uma câmara oculta e para surpresa de todos, expõe o ladrão: a discreta secretária do pessoal, Friederike Kuhn. Estreado no Festival de Cinema de Berlim, nomeado para o Óscar de melhor filme internacional e considerado um dos cinco melhores filmes internacionais de 2023 pelo National Board of Review, “A sala de professores” é um dos finalistas dos Prémios Lux. Filme exibido em parceria com o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa. Dia 3 de abril, às 19h15.

“A cor da liberdade”, de Julio Pereira, 69’ (Portugal)
Documentário que parte da história de José Pedro Soares, ex-preso político que foi detido e torturado pela PIDE entre 1971 e 1974, e contextualiza Portugal e a sua realidade social à época, através das memórias de ex-presos políticos, historiadores, jornalistas e artistas. Uma mensagem de luta e diferentes formas de resistência que é urgente conhecer e preservar. Filme legendado em português. Após a exibição, segue-se conversa com José Pedro Soares e equipa de produção com interpretação para língua gestual portuguesa (LGP). Dia 4 de abril, às 19h.

“Filhas da Pátria”, de Catarina Almeida, 12’ (Portugal)
Em 1968, Inês uma jovem homossexual de 18 anos, procura a sua emancipação através dos movimentos estudantis quando é proibida de frequentar o curso de Direito. Dia 5, às 17h30.

“Monte Clérigo”, de Luís Campos, 28’ (Portugal)
Um adolescente desperdiça o seu verão com trabalho forçado numa torre de vigia florestal, indiferente aos trabalhadores imigrantes das estufas que o rodeiam. Dia 5, às 17h30.

“Please make it work”, de Daniel Soares, 14’ (Portugal e Suíça)
Cláudia tem que lidar com um chefe exigente, uma filha adolescente e o vento forte das montanhas, enquanto limpa Airbnbs sofisticados nos Alpes Suíços. Dia 5, às 17h30.

“Mistida”, de Wilker Nhaga, 30’ (Portugal)
Uma mãe vai às compras e o peso dos sacos magoa-a. Pede auxílio ao filho que vem para a ajudar a carregar as coisas no caminho até casa. Ao percorrerem a distância, lidam também com as questões que os assolam. Dia 5, às 17h30.

“Will you come with me?”, de Derya Durmaz, 2’ (Alemanha)
Uma pequena história passada em Berlim. A cidade que aparenta ser um território de liberdade, dá uma bofetada na cara no momento das relações mais íntimas. Dia 5, às 23h15.

“Fragments”, de Marie-Lou Béland, 9’ (Canadá)
Vozes de mulheres levantam-se para testemunhar momentos de violência sexual. São fragmentos de experiências que traçam um retrato social. Dia 5, às 23h15.

“Nadie se enamora en un cine porno”, de Varinia Perusin, 9’ (Argentina)
H. é um homem adulto que frequentou cinemas de filmes pornográficos de Mar del Plata durante a maior parte de sua vida. Após uma experiência reveladora, reavalia a forma como se relaciona com a sociedade. Dia 5, às 23h15.

“Maghreb’s hope”, de Bassem Ben Brahim, 24’ (Argélia, Brasil, Marrocos e Tunísia)
Retratos das experiências de pessoas queer do Magrebe, nomeadamente da Líbia, Argélia, Tunísia e Marrocos. São pessoas que, corajosamente, quebraram tabus sociais em torno de seu género e sexualidade, desafiando os sistemas legais, sociais e familiares. Dia 5, às 23h15.

Prémio do Júri – Filme do Ano. Filmes que serão submetidos a avaliação do júri: “Sapadores da Humanidade”, de The Gandaya Colletive (Portugal); “A cor da liberdade”, de Julio Pereira (Portugal); “Monte Clérigo”, de Luís Campos (Portugal); “Mistida”, de Wilker Nhaga (Portugal); “Maghreb’s hope”, de Bassem Ben Brahim (Argélia, Brasil, Marrocos e Tunísia).

Prémio Futuro – realizadores sub-30. Filmes que serão submetidos a avaliação do grupo de jovens embaixadores do Festival Política: “Filhas da Pátria”, de Catarina Almeida (Portugal); “Mistida”, de Wilker Nhaga (Portugal); “Maghreb’s hope”, de Bassem Ben Brahim (Argélia, Brasil, Marrocos e Tunísia); “Nadie se enamora en un cine porno”, de Varinia Perusin (Argentina).

Prémio do Público. Todos os filmes da edição de 2024 do Festival Política encontram-se a votação do público presente em sala, exceto “A sala dos professores”.

Programação completa Festival Política Lisboa: 3 de abril; 4 de abril; 5 de abril.