Festival Politica

Programação Coimbra – 28 de setembro

O Festival Política regressa, de 28 a 30 de setembro, ao Convento São Francisco, tendo a Pós-democracia como tema central. São três dias de cinema, performances, música, humor, exposições, visitas guiadas e debates centrados na defesa do sistema democrático e na promoção da cidadania, intervenção cívica e direitos humanos. Aqui fica a programação para o dia 28 de setembro (quinta-feira). A entrada é gratuita, mediante lotação das salas ou inscrições. Encontras aqui o programa completo para os três dias em formato PDF.
Atividades para maiores de 12 anos, salvo indicação em contrário. Os conteúdos orais do Festival Política (debates, visitas guiadas ou oficinas) têm interpretação para língua gestual portuguesa. Todos os filmes são legendados em português, incluindo os de língua portuguesa. Mais informações sobre as acessibilidades do Festival Política aqui.

14h30
“Círculos de Cidadania” – oficina e debate
Local: Coimbra Business School | Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra
Espaço de reflexão e partilha sobre o que inquieta e preocupa os jovens, bem como um convite à ação conjunta para dar resposta a essas mesmas inquietações. Esta atividade consiste em criar círculos/fóruns onde os participantes – jovens a partir dos 15 anos – se envolvem ativamente na partilha e análise de questões e na procura das respetivas soluções. Para tal, são garantidas condições de forma a criar um lugar seguro onde possam comunicar e partilhar os seus pensamentos, ideias e sentimentos, para que as suas preocupações e opiniões sejam devidamente ouvidas, registadas e consideradas no nosso espectro social e político. No seguimento da oficina, segue-se uma “roda de conversas” com o propósito dar voz aos jovens para expressarem as suas preocupações e inquietações, junto de representantes com poder político, mas também para criar um espaço de coconstrução de possíveis propostas de resposta. Participam na “roda de conversas” António Martins (diretor do Departamento de Ambiente e Sustentabilidade da Câmara Municipal de Coimbra), Graça Simões (Cidadãos por Coimbra), João Pinto Ângelo (CDU), João Fontes da Costa (PAN), Isabel Garcia (PS), Tiago Bolhão (PS), Madalena Abreu (professora de marketing, ex-vereadora), Manuel Castelo Branco, (professor de Direito, ex-presidente da Coimbra Business School, ex-secretário de Estado do Ensino Superior) e Daniel Silvestre (presidente da associação de estudantes do ISCAC). Atividade exclusiva para público escolar. Organização: Between – Partnerships 4 Development // Associação Entretodos.

18h
Inauguração das exposições de fotografia e apresentação do projeto “Passa-Histórias”
Foyer

“Institucionalizado”, de Isabela Marques e Airton Cesar Monteiro.
As instituições totais são lugares onde um número considerável de indivíduos na mesma condição leva uma vida conjunta, isolado da sociedade. No caso das prisões, esse isolamento tem a função de proteger a comunidade exterior desses indivíduos. A esse processo de aplicação opressiva de controlo social e às suas consequências chama-se “institucionalização”. Curadoria: Kriativu.

“Revelação”
Todas as crianças e jovens têm sonhos. Mas às crianças e jovens ciganos não se lhes reconhece tão facilmente a capacidade de sonhar, de projetar um futuro. Esta exposição de fotografia pretende revelar esses sonhos escondidos pelo preconceito e pela falta de oportunidades. Uma iniciativa da CooLabora, cooperativa de intervenção social da Covilhã, que pretende catalisar diálogos e reflexões sobre os seus direitos, necessidades e recursos individuais e coletivos, sonhos, desejos, expressando assim os desafios e problemáticas que vivenciam nos seus quotidianos. Curadoria: Coolabora

Apresentação de um dos projetos vencedores das bolsas do Festival Política em parceria com o Instituto Português do Desporto e Juventude: “Passa-Histórias”, Luís Girão e de Sara Santos. “Passa-Histórias” é uma fanzine com um design semelhante ao de um passaporte, criada por refugiados em colaboração com artistas e estudantes locais para ajudarem a contar as suas histórias, que mais tarde serão divulgadas pela comunidade – ficando acessíveis online e na Biblioteca Municipal. O “Passa-Histórias” visa dar aos refugiados as ferramentas para ultrapassarem a barreira linguística, identificada como principal dificuldade por mais de 75%, e humanizar a experiência de cada pessoa que estamos a receber no nosso país e cidade. 

19h
“Alcarràs”, de Carla Simón, 120’ (Espanha e Itália) – cinema
Blackbox
Há já três gerações que a família Solé sobrevive do cultivo de pessegueiros na pequena cidade de Alcarràs (Catalunha, Espanha). As suas vidas, até aí pacatas, mudam quando recebem uma notificação do senhorio que lhes dá até ao final do Verão para abandonar a terra. O proprietário dos terrenos tenciona arrancar todas as árvores para que ali possa ser feita a instalação de painéis solares. Essa notícia vai abalar todos os elementos da família que, apesar de muito unidos, têm formas diferentes de abordar o futuro ou de encontrar novas formas de sustento. Essa insegurança vai dar origem a desavenças difíceis de gerir.
Filme exibido em parceria com o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa. Antes da sessão será feita a evocação do vencedor do Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento 2023: o corajoso povo da Ucrânia.

21h30
Fado Bicha – concerto
Palco do grande auditório
O que é o fado? Esta é uma pergunta feita ad nauseam às pessoas da comunidade do fado pelas próprias pessoas da comunidade do fado, num afã de perpetuar a romantização do fado como entidade artística sem definição possível (e, logo, controlada de dentro para dentro) e intrinsecamente nacional.
Uma resposta possível poderia ser: é um gênero musical urbano português de influência afrobrasileira, com génese em Lisboa no início do século XIX e caracterizado por melodias simples e melancólicas e um liricismo de expressão emocional.
Uma resposta mais complexa leva-nos pela história deste território a que chamamos Portugal nos últimos dois séculos, cruzando o império colonial que Portugal foi com a queda da monarquia e a ditadura fascista.
O que é que isto faz do fado hoje em dia?
Fado Bicha trazem um concerto intimista, de voz e guitarra elétrica, em que revisitam fados antigos e tradicionais e nos falam da história do fado e de histórias dentro do fado, evocando Hermínia Silva, Pedro Homem de Mello ou António Ferro, entre muites outres. Dar voz ao que ficou por contar, ao que significa tradição e o que ela necessariamente exclui para se impor. Nomear como forma de justiça poética – o passado convive com o presente e Fado Bicha tenta cozinhar um futuro em que toda a pluralidade humana possa ter lugar à mesa.

Todos os dias no Convento São Francisco

“Institucionalizado”, de Isabela Marques e Airton Cesar Monteiro.

As instituições totais são lugares onde um número considerável de indivíduos na mesma condição leva uma vida conjunta, isolado da sociedade. No caso das prisões, esse isolamento tem a função de proteger a comunidade exterior desses indivíduos. A esse processo de aplicação opressiva de controlo social e às suas consequências chama-se “institucionalização”. O Paulinho e o Mequinhas, protagonistas desta exposição, foram institucionalizados durante 25 e 37 anos, respetivamente. De forma descontinuada, passaram décadas das suas vidas em diversas instituições prisionais desde a menoridade. Curadoria: Kriativu.

“Revelação”

Todas as crianças e jovens têm sonhos. Mas às crianças e jovens ciganos não se lhes reconhece tão facilmente a capacidade de sonhar, de projetar um futuro. Esta exposição de fotografia pretende revelar esses sonhos escondidos pelo preconceito e pela falta de oportunidades. Uma iniciativa da CooLabora, cooperativa de intervenção social da Covilhã, que pretende catalisar diálogos e reflexões sobre os seus direitos, necessidades e recursos individuais e coletivos, sonhos, desejos, expressando assim os desafios e problemáticas que vivenciam nos seus quotidianos. São fotografias que revelam rostos, mas que dão, acima de tudo, voz a uma comunidade que pelo ciclo de exclusão onde se encontra encerrada, é conhecida apenas através da voz e do olhar de outros. E esses outros somos nós. Curadoria: Coolabora.

Bilheteira: Levantamento de bilhetes a partir das 15h no Convento São Francisco no próprio dia das sessões de cinema ou dos espetáculos programados. Mediante disponibilidade de lugares. Exceção: Prémios Monstros do Ano – bilhetes disponíveis na bilheteira a partir das 15h do dia 28 de setembro. Entrada gratuita. 

Programação:

28 de setembro (quinta-feira); 29 de setembro (sexta-feira); 30 de setembro (sábado)

10 filmes do Festival Política para ver no Convento São Francisco

5 atividades do Festival Política de Coimbra com inscrição 

Coprodução: Festival Política e Município de Coimbra
Parceria intersetorial: Divisão do Convento São Francisco / Divisão de Educação / Divisão de Ação Social Gabinete para a Igualdade e Inclusão
Conceito: Associação Isonomia
Apoio institucional: Instituto Português do Desporto e Juventude
Parcerias de programação: Parlamento Europeu – Gabinete em Portugal, Kriativu, Coolabora, Real Pelágio, Propella, Faculdade de Psicologia e da Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, Coimbra Coolectiva, Between – Partnerships 4 Development/Associação Entretodos, Projeto Trampolim – E8G
Apoio à divulgação: FCB Lisboa, Trix, ACAPO, dezanove, Esqrever
Media partners: RTP e Antena 1