Festival Politica

Programação 22 de abril — quinta-feira

O Festival Política regressa, de 22 e 25 de Abril, ao Cinema São Jorge, tendo as Fronteiras como tema central. Serão quatro dias de cinema, performances, música, exposições e debates centrados nas fronteiras políticas, mas também nas divisões e clivagens que fomentam a discriminação, o racismo, a intolerância e o desrespeito pelos direitos humanos. É esta a programação para o dia 22 de abril. 


16h30 Entrevista ao Vivo: Tiago Santos
Sala Manoel de Oliveira – com tradução para Língua Gestual Portuguesa

Em 2019, 15% das pessoas reclusas em Portugal eram estrangeiras. Muitas em trânsito, que passaram e foram presas no país, sem residência ou trabalho cá. Em geral, são mais sujeitas a prisão preventiva, enfrentam taxas de condenação mais elevadas e penas mais longas do que cidadãos portugueses. Importa compreender as estruturas de desigualdade, de exclusão social, a estigmatização e o racismo em jogo na associação deturpada entre os estrangeiros e o crime. Resgatamos, para isso, uma pergunta que já há duas décadas deu título a um trabalho académico sobre o assunto: Desviantes ou desviados? Uma entrevista dos Fumaça ao sociólogo Tiago Santos, fundador e presidente da Númena – Centro de Investigação em Ciências Sociais e Humanas. Assinou vários trabalhos sobre o tema.


17h00 Sessão de Cinema – Violência de género
Sala 3 – legendado em português

“The Rape Clause”, de Jared Watmuff, 14′ – Reino Unido
Para aceder ao apoio social para o filho, Ângela é forçada a revelar a terrível história de como a criança foi concebida. Inspirado em acontecimentos reais e tendo por base a legislação governamental atual, “The Rape Clause” é um curta-metragem sobre “uma das políticas mais desumanas e bárbaras que já nasceram em Whitehall” (MSP Alison Thewliss), que promove a vergonha e o trauma.

“Encara Hi Ha Algú Al Bosc”, de Teresa Turiera-Puigbò, 55′ – Espanha
Lejla Damon é uma jovem de 25 anos, que cresceu numa família de classe média em Londres. Os seus pais, jornalistas, acompanharam a guerra da Bósnia. Em dezembro de 1992, durante as filmagens num hospital de Sarajevo que estava a ser bombardeado, viram uma mulher a querer afogar o bebé que acabara de dar à luz. O bebé era fruto de uma violação e considerado semente do inimigo. Durante as guerras dos Balcãs, entre 25 mil e 50 mil mulheres foram vítimas de violência sexual. Lejla, Alen, Ajna são crianças nascidas da violação. 25 anos depois, juntam-se aos sobreviventes na sua luta para quebrar o silêncio e superar o estigma.


18h e 19h45 “Fronteiras”, um espetáculo de André Murraças, 30′
Sala 2 – legendado em português

“Fronteiras” é um solo sobre a ideia de migração que conta as histórias de quem mudou de país à procura de uma nova vida. Usando objetos pessoais e testemunhos reais, André Murraças leva-nos a diferentes períodos do universo da migração, começando em Ellis Island, passando pela França e Berlim em guerras diferentes ou relembrando os barcos perdidos no Mediterrâneo que tentam chegar à Europa. Há muitas histórias reais que ficam por contar. É preciso não esquecer estas pessoas. Encenação, texto, interpretação: André Murraças. Duração 30 minutos.


18h30 “Colectiv”, de Alexander Nanau, 109’ – Roménia/Luxemburgo
Sala Manoel de Oliveira – legendado em português
Em 2015, um incêndio na discoteca clube Coletiv de Bucareste deixou 27 mortos e 180 feridos. Várias vítimas de queimaduras começaram a morrer nos hospitais por feridas que não eram fatais. Um médico alerta uma equipa de jornalistas de investigação para a situação. O documentário acompanha jornalistas, delatores, vítimas de queimaduras e funcionários públicos, com um olhar intransigente sobre o impacto positivo do jornalismo de investigação. Nomeados para os Óscares 2021 na categoria de Melhor Documentário e Melhor Filme Internacional. Melhor documentário dos European Film Awards 2020. Nomeado para os Lux Audience Award. Parceria: Parlamento Europeu – Gabinete em Portugal.

 

Acessibilidades: O Festival Política está a trabalhar a sua acessibilidade e tem um compromisso assumido com a inclusão. Encontras aqui a informação completa sobre acessibilidade física do espaço, reserva de bilhetes e programação com Língua Gestual Portuguesa. Todas as sessões de cinema estão legendadas em português – incluindo as de língua portuguesa.

Bilhetes: Entrada gratuita. Necessário levantar bilhete no próprio dia. Horário da bilheteira: quinta e sexta-feira das 13h até ao início da última sessão, sábado e domingo das 10h até ao início da última sessão. 

Horários: Após o início da sessão não será possível entrar nas salas.

Consulta aqui a programação do festival para os quatro dias (PDF)

Conceito Festival Política: Associação Isonomia.

Co-produção: Câmara Municipal de Lisboa, EGEAC, Cinema São Jorge, Produtores Associados.

Parceiros: Câmara Municipal de Braga, InvestBraga, Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto, Instituto Português do Desporto e Juventude, Parlamento Europeu – Gabinete em Portugal, Secretaria de Estado da Cidadania e Igualdade, Comissão Nacional de Eleições.

Media Partners: RTP e Antena 1.

Criatividade: FCB e Bro.

Apoios: Dimensão Parlamentar da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, Instituto Cervantes, CVI – Centro de Vida Independente, Associação Portuguesa de Surdos, Comissão Nacional de Juventude Surda, Rádio Universitária do Minho e Profitecla.